x

Vontade de ir falar com o ex? Deixa eu segurar a sua mãozinha!

 

 

Sempre fui a favor do não-joguinho psicológico no amor. Quer ligar liga, quer falar fala, quer sentir sente. E que se dane o resto do mundo, já que aquela fatura errada da NET sempre chega mesmo no seu nome.

 

Mas uma hora a conta chega - e prometo que vou parar de fazer analogias relacionadas ao dinheiro logo mais. A verdade é que a gente tem que saber a hora de parar com essa liberdade toda, com declarações atrasadas de amor, entre outras atitudes que só funcionam bem em filme de comédia romântica americana.

 

Miga, se acabou, acabou. A gente tem a cruel mania de romantizar demais a vida, e achar que o boy deve estar sentado sozinho na sombra de uma praça no centro enquanto gotas de uma quase-chuva começam a cair sobre o rosto melancólico dele, quando provavelmente ele tá falando de CBF, "libertadores" e Rachel Apollonio com os colegas de trabalho. Será que ele tá na vibe de receber uma ligação/mensagem sua?

 

Tente não pensar só em você e nas suas vontades agora. Ou melhor, até pense, porque se ele atender o telefone falando “Dãaaaaaanii??” quando o seu nome é Laura, ou pior, nem atender: a coisa vai ficar um pouco esquisita pro seu lado.

 

Agora, vai que ele atende e vai que ele atende falando o seu nome. Ou responde a sua mensagem. E aí? Será que vocês ainda têm mesmo algo pra falar, ou é só a sensação de apego? Pode ser que vocês tenham algo pra falar realmente, tipo quem vai ficar com o bulldog, mas isso não é problema meu. Só estou aqui pra te dar as opções.

 

Esse incômodo que você tá sentindo pode ser amor verdadeiro ou pode ser uma carência que vai ceder assim que uma nova barba encostar no seu rostinho. Uma prova de que esse boy que estamos falando aqui não configura a sua felicidade, é que você já foi bem felizinha antes de conhecer ele, com outras pessoas. Né?

 

A vida é curta, fofa! Curta demais pra gente ficar dando looping numa relação que já acabou, que já magoou, que já passou.

 

Carnaval tá aí,

aguardo seu retorno.

Att,

 


JULIANA BATAH

Oi, eu sou a Ju Batah! Tenho 25 anos e sou designer, ilustradora, webwriter e criadora do blog Vamos pra Vênus. Adoro falar sobre cotidiano e relacionamentos, e concluí que ninguém vive sem amor: principalmente o amor próprio!

 

Artigos Relacionados:

Você se sente 100% segura com ele? Ou parece que você tá numa corda bamba?

Ou: autoestima é ser quem se quer ser.

Qual é a sua preferida?

OPS!

Estamos com algum problema de conexão!

Por favor, atualize a página ou tente novamente mais tarde.