x

Ciumenta, eu? Ju Batah descreveu direitinho como é esse sentimento de uma forma muito descontraída. Olha só!

 

- Foto: Pinterest - 

 

Ciúme é que nem droga. Começa com sensações estranhas, te faz pensar que está no controle da situação no começo mas você vai perdendo esse controle aos poucos, e quando o efeito BATE de verdade, te faz ficar completamente alucinada. Passado alguns minutos (ou dependendo do caso, horas), tudo aquilo perde o efeito e você se encontra em um limbo de tristeza, todo decorado com motivos de arrependimento & insatisfação. E a única atitude que você acaba tomando depois de tudo isso é: chorar muito, geralmente com um porta-retrato na mão ainda sem a foto do boy, mas com a foto da modelo de 65 anos no jardim que já veio da loja - porque hoje em dia é tudo digital e o porta retratos nessa história é só ilustrativo mesmo - ou PIOR, sentir ainda mais ciúmes, porque depois que você jogou um CD com as primeiras músicas que vocês ouviram juntos na cara do boy gritando "Toma, vai ouvir isso com a sua vizinha!" - agora você é uma pessoa + insegura e + frágil diante da sociedade.

 

O ciúme também costuma ser como um combo de fast-food, com um monte de coisas misturadas dentro - que você não estava esperando que chegasse tão rápido, mas chegou e agora você precisa apertar aquele botãozinho dando STOP no relógio que fica na bancada com os dizeres: "Se o seu pedido não chegar em 30seg, ganhe outro". Explico: Tava tudo bem no jantar com o boy quando você fez uma piada errada envolvendo seu ex, uma maratona de Chapolin Colorado, uma pizza de frango com milho e uma ligação estranha depois da meia-noite. Ele ficou chateado, ficou sentido, mas você continua rindo lembrando da cara do seu ex, o seu boy tá realmente mal, o momento não tá bom, não tá tranquilo, não tá favorável. Você pergunta para ele o que rolou mas ele não tem mais forças pra dizer, então você tenta agir naturalmente como a Helena em Laços de Família, numa tentativa sem sucesso de esconder da filha que sabe que ela tá com câncer.

 

E aí você pensa:  vou só ficar aqui no meu cantinho fazendo a Helena mesmo, até a hora que ele resolver falar sobre o assunto. Mas os homens nunca falam sobre o assunto quando estão inseguros e chateados, eles se manifestam curtindo fotos de outras minas muito gatas no Face, geralmente com um par de peitos que seu salário nunca poderá alcançar. Você vê a foto, você vê a curtida, você já tá meio mordida, já tá esquisita, já tá pré-disposta, quando chega uma mensagem no celular dele - e não, eu não me escondi no banheiro pra ver a mensagem enquanto ele tava dormindo de bruços no sofá da sala, eu vi sem querer mesmo - de um "nome-de-mulher" - talvez o mesmo nome da menina da foto - chamando ele de "gordinho", sendo que ele pesa muito menos que você. Nesse caso, quando chega esse combo no seu dia, com tanta velocidade, você não ganha outro lanche - o que seria ideal para te acalmar, ganha só a coisa do descontrole e da depressão mesmo.

 

A conclusão de tudo isso? Conclusão nenhuma, só não aconselho a parte de jogar o CD na cara do boy, porque anos depois ele pode vir jogar isso na sua cara (e não estou falando do mesmo CD), bem naquele momento em que você está num date do Tinder, tentando passar uma boa impressão para um novo boy que acabou de conhecer.

 

- Susângelo, se você estiver lendo isso, eu juro que sou uma pessoa legal, meu ex estava muito descontrolado aquela hora, mas podemos sair pra conversar novamente se você quiser. (:

 


JULIANA BATAH

Oi, eu sou a Ju Batah! Tenho 25 anos e sou designer, ilustradora, webwriter e criadora do blog Vamos pra Vênus. Adoro falar sobre cotidiano e relacionamentos, e concluí que ninguém vive sem amor: principalmente o amor próprio!

 

OPS!

Estamos com algum problema de conexão!

Por favor, atualize a página ou tente novamente mais tarde.