x
x

Toda a experiência (com o boy) é válida Não estamos dentro de uma gravação hollywoodiana

Na nossa cabeça, as coisas deveriam funcionar como numa comédia romântica americana: você está de bobeira na vida quando encontra aquele cara - que obviamente está longe de ser perfeito - mas que atende pelo menos 90% de suas necessidades, sendo as principais: bonito + sensível + lida bem com a ideia de fazer contas na hora em que você estiver tri-lôca, pagando 13 cervejas no bar + ele não sabe comprar roupa, na verdade nem liga pras modas (sério, isso às vezes é bem sexy).

E aí, quando você encontra um carinha que seja pelo menos parecido com esse "protótipo ideal" - BUM!! É amô, gente, é amô.

Claro, você já está imaginando toda uma vida com ele, uma trajetória super emocionante com filhos, viagens e cafés da manhã fitness - e AI de quem quiser tirar essas ideias pouquíssimo saudáveis da sua cabeça. A questão é que não podemos esquecer daquele detalhezinho discreto, singelo, quase nada importante de sempre: não estamos dentro de uma gravação hollywoodiana com o Ashton Kutcher, estamos na vida real e aqui os caras são confusos, inseguros e infelizmente bem mais baixos que o Ash.

Foto: Reprodução

Não que isso seja um grande problema, porque nós também somos confusas, inseguras e mais baixas que o Ash.

MAS vou contar pra vocês o que a Susângela, minha terapeuta - sim, temos referências profissionais aqui - tem falado pra mim, principalmente nas sessões em que eu acabo com todo o estoque de Kleenex que ela tem no consultório: "viva experiências". Isso mesmo que você entendeu.

O termo "viver experiências" tem a ver com sair com o gatinho, trocar uma ideia, "dar uma transada" - A Susângela adora usar esse termo - e pronto. Até porque nem a gente sabe direito o que a gente quer. É amor? Não é, linda. Amor é aquilo que os seus avós sentiram um pelo outro durante 65 anos, o que você sente pelo crush é paixonite.

Não necessariamente precisa ser pra sempre. Não necessariamente o amor da sua vida é um só. O amor pode ter várias facetas, caras, cômodos e tempos de forno diferentes. E sempre vai acrescentar algo na sua vida.

- Porque toda experiência é válida.

Mesmo que dê tudo errado no final. Mesmo que o desfecho da história seja ao som de "Não Quero Mais" da Ludmilla na tentativa de curar as feridinhas do coração. O lance é viver experiências.

E se ainda quiser +1 conselho da tia Ju:

Compare a sua vida afetiva com a Hidra, aquele monstro da mitologia grega que quando tem a cabeça cortada, ganha mais duas, e se tem as duas cortadas ganha quatro e assim por diante. Cada cabeça é uma experiência com um boy diferente e quanto mais cabeças você tem, mais forte você fica. Essa referência foi realmente péssima, mas não encontrei outra.

FIQUE BEM! <3


JULIANA BATAH

Oi, eu sou a Ju Batah! Tenho 25 anos e sou designer, ilustradora, webwriter e criadora do blog Vamos pra Vênus. Adoro falar sobre cotidiano e relacionamentos, e concluí que ninguém vive sem amor: principalmente o amor próprio!

 

Artigos Relacionados:

Você se sente 100% segura com ele? Ou parece que você tá numa corda bamba?

Ou: autoestima é ser quem se quer ser.

Qual é a sua preferida?

OPS!

Estamos com algum problema de conexão!

Por favor, atualize a página ou tente novamente mais tarde.